segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Meu conto de Natal



Todos já sabem, mas eu não canso de repetir, tenho uma menina, costumamos chamá-la de pequena saxã e ela realmente é uma criança muito especial. Não não, ela não tem necessidades especiais que é como as pessoas chamam crianças com todos os tipos de síndromes, porque segundo os novos pensadores que surgem (na verdade é a grande mídia), os outros nomes são pejorativos.
Mas então , sou uma mãe coruja sim é claro sou mãe velha de filha única, tento não corujar tanto mas não tem jeito vira e mexe eu me pego rindo sozinha das peraltices da minha pequena.
Na verdade ela na maioria das vezes é uma criança comum como outra qualquer, já fez escândalo em super mercado, já falou palavrões escabrosos (porque me ouviu falar é claro), sempre que foi até a casa de alguém mexeu nos bibêlos, aliás até hoje ela mexe nos bibelôs das casas alheias, parabéns para as mães que conseguem que os seus filhos não mexam, pois isso realmente é um grande feito,hummmm, onde nós estávamos mesmo, então, as vezes eu tenho de colocá-la de castigo mais de três vezes pelo mesmo motivo, e é chorona como chora essa criaturinha principalmente quando o pai está por perto.

Mas eu não estou aqui para falar dos defeitos das crianças que realmente são crianças, e sim de como a minha pequena é especial. Pense na Felícia do desenho Perna Longa ao quadrado, é a Sofia, ela abraça e diz para as amiguinhas “como você é maravilhosa, fala oi pra todo mundo que vê dá bom dia, diz obrigada com A no final dá licença, é tão eufórica quando vê criança que as vezes até as assusta.Mas o que ela gosta mesmo é de ter amigos , ela fica toda,toda parece está no céu e repete," ela é minha amiga", não se importa em dividir os brinquedos ,mas comida...dividir comida é um problema. Recentemente percebi que a Sofia se adequa a qualquer tipo de situação e de criança, pois já a observei brincando com vários tipos de crianças de níveis sociais, religiões etc diferentes, O essencial para ela é ser amiga e brincar sempre.

As filhas das madrinhas
Fifi e Lorena




Sempre corrigi a Sofia , pois ela falou muito cedo, sempre teve facilidade na fala, já na coordenação motora não, caía a todo momento, demorou para andar, para pegar a colher sozinha, mas para falar sempre foi uma “ninja” Como dizia mamãe, falava mais do que a nega do leite, sem exagero aos 11 meses já dizia papai e mamãe corretamente, pedia comida, água assim mesmo bem pronunciado, por isso toda vez que ela erra o tempo verbal ou esquece de por um s aqui ou um r ali , eu a corrijo.
Acontece que a Sofia tem um primo com “necessidades especiais”(não sei porque mais não gosto dessa expressão).Uma daquelas crianças que só precisam de muito amor aceitação e que nos surpreende todos os dias, uma das crianças mais lindas que eu já vi, taí gostaria de saber porque eles são tão bonitos. Alguns chamam de Autismo, outros de Asperger e os mais “modernos”(modernos se traduz preconceituosos), chamam de Dispersão Global. O fato é que essas palavras são explicitamente proibidas no” Mundo de Sofia”,
 Eu tentando explicar para a Sofia a diferença de necessidades especiais para especial, me embanano todinha: 
-Mas mamãe você não fala que eu sou especial?
-Mas você é filha.
-Mas eu sou diferente dele.
-Isso mesmo filha, as pessoas são diferentes uma das outras e o seu primo é diferente de você, e assunto encerrado.
Acontece que o primo de 6 anos está passando uns dias aqui na Chácara, e os dois brincam muito( é que o grau dele é bem baixo, e ele consegue brincar as vezes), e quando eu comecei a observar a conversa dos dois não pude deixar de me surpreender, minha filha estava falando igualzinho ao primo, rapidamente a chamei e disse:
-Sofia, que linguagem Tatibitate é essa, pode parar com isso.
Ela me olhou bem nos olhos e disse bem baixinho;”deixe eu te contar um segredo?”
 -Ta bom filha conta.
-É que ele é meu primo mamãe né?
-É filha
-E se eu não falar assim igual a língua dele, ele não vai entender nada do que eu falo;Será que você deixa eu falar desse jeito quando tiver brincando com ele?Deixa? DEIXA MAMÃE?
Não pude responder imediatamente pois eu a estava  abraçando, aquele abraço de urso quase a deixando sem ar, foi com lágrimas nos olhos que eu consegui sussurrar.
-Pode sim filha, você é especial
-Mamãeeeeeeeeee é ele que é especial
-Todos nós somos filha, mas você passou na fila da bondade várias vezes, eu só conheci uma pessoa assim na minha vida.
-Fila mamãe, como assim?
-Vai brincar meu amor, vê se fala direitinho a língua do seu primo viu...
E o dia ficou , mais claro, o céu mais azul, a grama mais verde, e a esperança cresceu no meu coração e eu dizia a mim mesma. “O Mundo é Bom”.E a minha filhinha além de ser especial é uma guerreira  a serviço do 
bem.

 Boas Festas a todos...
Monique Garcia

2 comentários:

  1. Lindo conto! Adorei e a diagramação, letras e imagens muito bem colocados :)

    ResponderExcluir